Claro e John Deere se unem para levar conectividade a 15 milhões de hectares de lavouras em 2021

quinta-feira, Dezembro 17, 2020

A operadora Claro e a John Deere fecharam uma parceria para levar conectividade a 15 milhões de hectares de lavouras no Brasil - o equivalente a 20% da área plantada com as principais culturas no país - até o fim de 2021.

No modelo proposto, que vai vigorar a partir de 15 de janeiro do ano que vem, o produtor não precisará fazer investimentos em infraestrutura própria de telecomunicações para se conectar à internet no campo, e terá custo estimado de R$ 20 por hectare por ano para ter acesso à rede da Claro.

A solução de conectividade batizada de “Campo Conectado” visa colocar em uso aplicações para cruzamento e tratamento de dados em tempo real. “Para a agricultura brasileira isso é um divisor de águas. Em tempos como o que vivemos, destravar o progresso no campo por meio da tecnologia é fundamental para promover a reativação econômica de que o país precisa”, diz Paulo Herrmann, presidente da John Deere Brasil.

“Vamos oferecer as tecnologias de conectividade mais demandadas pelos clientes no campo. O 3G, que dá acesso a quem tem celulares mais antigos; 4G, que traz muito mais capacidade, e o CAT-M [4G para dispositivos de baixa complexidade], que permite conectar um sensor de pH de solo a bateria”, afirma Eduardo Polidoro, diretor de Internet das Coisas (IoT) da Claro.

Para cada dispositivo conectado, o produtor terá, normalmente, sua conta avulsa pelo pacote de dados. Os preços cobrados estarão em linha com os custos da internet móvel para celular nas cidades, segundo Polidoro. “Queremos que o acesso seja democrático, que o produtor que conecta uma máquina, ou seja, um chip, tenha um custo compatível”, diz.

Hoje, segundo Rodrigo Bonato, diretor de inovação para a América Latina da John Deere, a empresa tem 20 mil máquinas aptas a serem conectadas no Brasil e, para as que necessitam de modem, oferece um kit de valor acessível para a conexão. Bonato explica que o relacionamento para oferta dos serviços da Claro será feito pela Rede de Concessionários John Deere em colaboração com a startup paulista SOL Intermediação de Negócios e Gestão de Ativos, que indicará a melhor forma de realizar a cobertura. Já a Claro prestará o serviço, arcará com os custos de instalação de novas antenas na zona rural e terá um canal de atendimento focado no público do agronegócio. Por meio do portfólio Claro Smart Agro, a operadora também ofertará soluções de Agricultura Digital e Silos Conectados.

Fonte: valor.globo.com/agronegocios



Share